Como o Uber usa selfies dos motoristas para melhorar a segurança com Microsoft Cognitive Services

Por Suzanne Choney //

A segunda metade do nome oficial da Uber – Uber Technologies – não é sempre mencionada quando nos referimos a essa gigante de transporte compartilhado. Mas a tecnologia está no DNA da Uber, desde o app que revolucionou o transporte de pessoas em todo o mundo até os atuais testes de carros pilotados automaticamente em Pittsburgh.

“A tecnologia corre nas veias da empresa, seja para descobrir como tornar um processo mais eficiente seja para tornar a plataforma mais segura e estável”, afirma Dima Kovalev, gerente de produtos da Uber.

Agora, a Uber apresenta o Real-Time ID Check, um recurso de segurança adicional que solicita aos motoristas, periodicamente, o compartilhamento de uma selfie com a empresa antes de ficarem online para aceitar solicitações de corridas.

O Real-Time ID Check utiliza a inteligência do Microsoft Cognitive Services para comparar instantaneamente a selfie com a foto correspondente no cadastro do motorista. Se as duas fotos não se equivalerem, a conta do motorista pode ser temporariamente desativada enquanto a Uber verifica a situação.

Esse recurso previne fraudes e protege as contas dos motoristas. Também protege os motoristas ao construir uma nova camada de conferência ao app Uber e permite que os passageiros saibam que a pessoa certa está no volante.

O recurso de verificação é um exemplo “do ótimo uso da tecnologia para reforçar as fundações de segurança de nossa plataforma”, diz Kovalev.

O Real-Time ID Check é também incrivelmente rápido – a verificação é feita em milissegundos.

“Temos dezenas de milhares de parceiros-motoristas que se conectam online a cada hora no mundo e, para nós, os tempos de resposta das APIs são extremamente importantes”, afirma Kovalev.

Esse recurso fornece uma camada adicional de segurança ao que já havia no app. Uma vez que os passageiros solicitam uma carona através do app Uber, a empresa envia a eles a informação sobre o motorista que irá buscá-lo, incluindo nome, foto, marca e modelo do carro, além do número da placa. Quando o carro chega, os usuários podem comparar essa informação com o veículo e o motorista que está à sua frente para garantir que eles estão entrando no carro certo.

O Real-Time ID Check pede ao motorista para compartilhar uma selfie antes de se conectar para ajudar a garantir que o condutor que utiliza o app é o mesmo que conta do cadastro da Uber. (Foto: Uber)
O Real-Time ID Check pede ao motorista para compartilhar uma selfie antes de se conectar para ajudar a garantir que o condutor que utiliza o app é o mesmo que conta do cadastro da Uber. (Foto: Uber)

O Real-Time ID Check não consegue apenas comparar fotos, ele é esperto o bastante para detectar anomalias ou mudanças na aparência do motorista, como uma barba nova, mesmo que sua foto oficial do Uber o mostre sem ela.

“Se a foto de um motorista não corresponde, o Real-Time ID Check reconhece que isso pode acontecer pois ele está usando óculos ou um chapéu” na selfie daquele dia, afirma Joe Sullivan, chefe de segurança da Uber. “Então, pedimos que eles retirem seus óculos de sol e refaçam a foto.”

Nos últimos meses, a Uber realizou um teste do Real-Time ID Check com mais de 50.000 motoristas em várias cidades nos Estados Unidos, nas quais o recurso estará disponível inicialmente.

Algumas coisas foram aprendidas pela Uber com o teste: “Fazer uma selfie à noite é realmente difícil”, afirma Kovalev. “Então, refizemos toda a nossa interface (UI) para que seja realmente brilhante”, agindo quase como se fosse um flash, “simplificando a verificação dos parceiros à noite”.

E é importante que os motoristas permaneçam seguros quando tiram as fotos. É por isso que a selfie deve ser tirada antes de acessar a plataforma, evitando que isso seja feito enquanto eles dirigem.

O Microsoft Cognitive Services era “muito responsivo” às necessidades da Uber, afirma Kovalev. A API original suportava 1.000 usuários “e basicamente perguntamos, ‘Hey, podemos chegar a um milhão?’”, e a equipe da Microsoft que trabalhava no projeto “nem se abalou”, contou.

“A outra parte que ajudou é que não havia um padrão requerido para o tipo de foto” a ser enviada. Motoristas enviavam fotos de câmeras de celular com diferentes tamanhos, resoluções e aspectos.

“Não havia requisitos restritos que diziam que deveria ser num determinado tamanho – havia um mínimo, mas era muito fácil chegar a esse mínimo,” diz Kovalev. “Não era algo como ‘hey, você precisa ter esse tipo de foto para ser comparada apenas com esse tipo de foto.’ E não era importante se fosse Android ou iOS ou qualquer outro dispositivo de captura que eles estivessem utilizando”, o que tornou o desenvolvimento da API mais rápido e flexível como “algo que realmente estávamos procurando”.

Andrew Shuman, vice-presidente corporativo de produtos para as equipes de Tecnologia e Pesquisa na Microsoft, diz que a API utilizada para o Real-Time ID Check é uma das REST APIs do Microsoft Cognitive Services, criadas para permitir que os desenvolvedores utilizem tecnologias de alta qualidade com apenas algumas linhas de código.

“Nós desenvolvemos nossas APIs para serem simples de usar, independentemente de quais plataformas ou linguagens os desenvolvedores escolham”, afirma Shuman. “Os algoritmos são de alta qualidade, testados e baseados em 25 anos de pesquisa da Microsoft.”

Sullivan, da Uber, diz: “Uma segurança excelente é quase invisível,” e o Real-Time ID Check é um exemplo disso, acredita.

Para mais informações sobre o Microsoft Cognitive Services, visite Microsoft.com/cognitive.