Inteligência para ajudar os cidadãos com a tecnologia

Por César Cernuda, presidente da Microsoft América Latina //

A essência de uma comunidade são seus habitantes. Empoderá-los deve ser o objetivo mais importante dos governantes, um trabalho em que a tecnologia é imprescindível.

Os líderes atuais precisam ter um entendimento amplo sobre o que é a transformação digital. Somente assim será possível que governabilidade, mobilidade, segurança, economia e sustentabilidade sejam aspectos integrados, de maneira ordenada e eficiente, ao cotidiano das cidades do planeta. Vamos conversar um pouco sobre esses aspectos e suas arestas tecnológicas.

Graças à disponibilidade da internet, os telefones móveis e o big data, governar uma cidade vai muito além da sua administração. Nessa conjuntura – de conversar e difundir situações em tempo real com o uso da tecnologia –, é necessário escutar os cidadãos de maneira efetiva e respondê-los. Trata-se da e-democracia, uma condição que permitiu a transparência e a abertura dos governos.

Além disso, a mobilidade dos indivíduos é um aspecto importante para uma cidade eficiente. Melhorar o tempo de transporte, reduzir o trânsito, diminuir os acidentes e combater a contaminação é um desafio para as grandes cidades. É preciso abordar a sustentabilidade e infraestrutura, com o apoio da tecnologia, como, por exemplo, a implementação de soluções de IoT para administrar sistemas de tráfego, e que seria um passo à frente caso o uso de veículos conectados fosse uma realidade, da mesma forma que processos de otimização logística.

A segurança é também fundamental e, com a tecnologia, é possível enfrentar perigos como o terrorismo, catástrofes naturais e problemas atuais como os ciberataques. Dados em tempo real e algoritmos inteligentes podem ajudar a prevenir e combater essas ameaças.

Não esqueçamos que a economia é outro aspecto fundamental para o funcionamento de uma cidade, algo que deve ser feito com inteligência. Hoje, a economia compartilhada rompeu paradigmas e permite novos modelos de negócios. Agora as pessoas podem trabalhar em suas ideias na Quarta Revolução Industrial, que promove a equidade, a sustentabilidade, a resiliência e a diversidade, tudo isso com a ajuda de novas tecnologias.

Já falamos sobre sustentabilidade e não podemos esquecer que o risco ambiental é um dos problemas mais difíceis do nosso tempo. Questões como o desenvolvimento urbano, a gestão de resíduos, a construção de edifícios verdes e o uso de energia renovável são ações decisivas para ter cidades sustentáveis e inteligentes com melhores condições de vida para seus cidadãos.

Mas, o mais importante em uma cidade são as pessoas. É por isso que os governos devem usar ferramentas para conseguirem uma sociedade conectada e informada. Combater a desigualdade é muito necessário para alcançar o bem comum. Nesse caso, questões, como e-learning e e-health, são úteis para o bem-estar de todos.

O ponto de partida para a construção de cidades eficientes é se beneficiar da inovação, confiar no poder da computação em nuvem, da inteligência artificial, da realidade mista, da aprendizagem de máquina e de análises avançadas. Trata-se da colaboração entre os governos e a iniciativa privada para tomar melhores decisões que impactem positivamente os cidadãos. Temos que fazer isso com base em informações e processos inteligentes, de forma ética, sempre considerando a segurança e a privacidade.