Microsoft anuncia lançamento de AI Innovation Factory em Portugal

 |   Microsoft Portugal News Center

O anúncio foi feito na sessão de abertura do Building The Future. A Microsoft, em parceria com a Accenture, Avanade e a Unicorn Factory Lisboa, irá lançar uma AI Innovation Factory, com o objetivo de acelerar a adoção de Inteligência Artificial por empresas públicas e privadas em Portugal. A Microsoft apresentou ainda os resultados do seu mais recente estudo desenvolvido em parceria com a IDC, “Da expectativa ao sucesso: Alcançar o sucesso empresarial com a IA na Europa – Portugal”. A análise apresenta um índice de adoção da IA pelas organizações portuguesas e fornece insights sobre de que forma esta tecnologia está a ser utilizada para gerar impacto económico nas organizações.

Microsoft aposta na formação com a criação da AI Innovation Factory

A AI Innovation Factory é uma iniciativa da Microsoft Portugal desenvolvida em parceria com Accenture, Avanade e Unicorn Factory Lisboa, que visa promover a adoção de Inteligência Artificial por empresas públicas e privadas, nas diferentes indústrias e sectores, e contribuir para o crescimento sustentável de Portugal por meio de novos cenários de inovação digital, acelerado pela ligação a um ecossistema de startups e nativos digitais.

Ainda em fase de construção, a AI Innovation Factory estará integrada no AI Hub da Unicorn Factory, em Alvalade, com data prevista para inauguração em novembro de 2024. Não obstante, até lá todo o programa da AI Innovation Factory desenrolar-se-á nas instalações da Microsoft no Parque das Nações ou nas sedes de um dos parceiros. Ao longo dos próximos meses, juntos, irão oferecer às empresas uma plataforma para inspiração e ideação, com acesso a demonstrações e casos reais, onde especialistas de indústria e tecnologia serão facilitadores na identificação de oportunidades e priorização de casos de uso, seguindo as melhores práticas do mercado, apoiados em metodologias comprovadas de design thinking.

Este é um programa personalizado desenhado com o objetivo de acelerar e maximizar o retorno da adoção responsável da Inteligência Artifical. Além disso, a AI Innovation Factory proporciona treino e formação, permitindo às organizações participantes adquirir as competências necessárias para tirar o maior partido da IA.

Da expectativa ao sucesso: Alcançar o sucesso empresarial com a IA na Europa – Portugal”

O estudo reflete sobre a forma como as empresas estão a rentabilizar os seus investimentos em IA. Para a concretização do mesmo, a IDC contou com a participação de mais de 2.000 líderes empresariais e decisores de todo o mundo, dos quais 500 fazem parte da região EMEA, que são responsáveis por dar vida à transformação da IA nas suas organizações, tendo conduzido entrevistas específicas a decisores portugueses.

As organizações a nível nacional estão em linha com o sentimento europeu sobre a implementação de IA, com 62% a utilizarem esta tecnologia e 25% a ponderar a sua utilização nos próximos 24 meses. Neste momento os três principais use cases verificados em Portugal, têm por base data analytics avançada, assistentes virtuais ou chatbots, como por exemplo o projeto desenvolvido pela Agência da Modernização Administrativa, e a otimização de processos. Outros insights destacados no âmbito deste estudo:

  • 40% das organizações em Portugal utilizam plataformas de cloud pública para experimentação, desenvolvimento e testes de IA.
  • 26% das organizações em Portugal utilizam plataformas de cloud pública em todo o ciclo de implementação de IA, de ponta a ponta, o que faz de Portugal um mercado em linha com a Europa Ocidental.
  • 36% das organizações têm um órgão de governance que supervisiona a IA responsável
  • 77% das organizações afirmam que é importante ou muito importante que os fornecedores de IA tenham uma estratégia de IA responsável.

Segundo a Microsoft para as organizações em Portugal obterem um retorno sustentável dos investimentos em IA devem:

  • Abordar o défice de competências: Uma abordagem estratégica à IA exige não só conhecimentos tecnológicos, de dados e de IA, mas também conhecimentos do domínio empresarial e competências de gestão da mudança.
  • Ser pragmáticas e orientadas para os resultados comerciais: As organizações podem fazer projetos diferenciadores e interessantes com a IA – mas as empresas em Portugal só investirão se a IA fizer mexer a agulha nas métricas que interessam.
  • Utilizar plataformas e fornecedores que assumam a responsabilidade: Utilizar uma plataforma de IA não se trata apenas de chegar mais rapidamente ao mercado; trata-se também de trabalhar com parceiros que assumam a responsabilidade por aspetos fundamentais da implementação da IA. As organizações em Portugal arriscam-se a perder para os concorrentes internacionais, a menos que procurem fornecedores de plataformas que as ajudem a criar valor de forma rápida e segura.

Panorama europeu na adoção de IA

Numa análise mais fina, os dados da IDC confirmam que, na Europa, as empresas estão ansiosas por adotar a tecnologia de IA, com 67% dos inquiridos a utilizar atualmente ferramentas de IA nas suas organizações e 21% a planear fazê-lo nos próximos 12 meses. As organizações que já implementaram estão a obter um retorno dos seus investimentos em IA no prazo de 14 meses, sendo que por cada 0,91€ que investem em IA, estão a obter uma média de 3,06€ de retorno. No entanto, mesmo com esta dinâmica e perspetiva positiva, as organizações estão a enfrentar desafios no que diz respeito à implementação. A escassez de profissionais qualificados está a impedir 54% das empresas de acelerar as suas inovações baseadas em IA.

Para ajudar a colmatar esta escassez de competências, a Microsoft já envolveu mais de 6 milhões de pessoas a nível mundial em atividades de aprendizagem nos últimos 12 meses e tem a ambição de fornecer competências a todos os que utilizam a sua tecnologia de IA. Também capacitaram o seu ecossistema de mais de 400.000 parceiros em todo o mundo com as competências necessárias para implementar a tecnologia de IA de forma responsável e para proporcionar maior valor ao cliente.

Para mais informações sobre o estudo, consulte aqui.